Pesquisar

A ILHA DOS AMORES – I

Etiqueta

Mulher

YouTube – Veni Veni Emmanuel

YouTube – Veni Veni Emmanuel.

Veni, veni Emmanuel;
Captivum solve Israel,
Qui gemit in exilio,
Privatus Dei Filio
Gaude! Gaude! Emmanuel,
Nascetur pro te, Israel!

Veni, veni, O Oriens;
Solare nos adveniens,
Noctis depelle nebulas,
Dirasque noctis tenebras
Gaude! Gaude! Emmanuel,
Nascetur pro te, Israel!

Veni, Clavis Davidica!
Regna reclude caelica;
Fac iter tutum superum,
Et claude vias inferum
Gaude! Gaude! Emmanuel,
Nascetur pro te, Israel!

Veni, veni Adonai!
Qui populo in Sinai,
Legem dedisti vertice,
In maiestate gloriae
Gaude! Gaude! Emmanuel,
Nascetur pro te, Israel!

ver tradução no comentário

Mutilação Genital Feminina

”I always admired the strength of women like Therese of Lisieux and Teresa of Avila.
When I read Teresa of Avila’s “The Interior Castle”, I remember thinking of the impact her writings must have had in the women of those of times and of the strength she must have had to stay true to her spiritual reality.
I like Sophia de Mello Breyner’s quote, and looking back at all women have suffered because of their sex, I ask… Isn’t it there also sanctity in the simple fact of being a Woman?”

(Comentário da Isabel à recente entrada ”O sexo impede”.)

Ler por favor este artigo no Marquesa, da Drª Cristina. Também guardei eu própria uns excertos, aqui:

Depois seguem-se os meus comentários:

Há muitas mulheres (não mutiladas, no mundo ocidental) que dizem que o pior do parto, foi a episitomia, e as complicações e dores que ela frequentemente provoca a seguir ao parto. A episitomia continua a ser feita em série, nos hospitais, sem qualquer necessidade, e apesar do sofrimento que provoca. Tem imensa influência na capacidade da mãe para um bom começo da maternidade e relação com a criança. No entanto, repito, continua a praticar-se em série (provavelmente menos em Portugal do que nos Paízes ”avançados”), como se o corpo da mulher, um bocado de carne fosse.

Voltando à questão da mutilação genital feminina, se a episitomia já é prejudicial e dolorosa, imagine-se o que é viver com as feridas e dores das mutilações nesses orgãos mais sensíveis do corpo.

No entanto, este crime é apenas uma pequena parte, – apesar da sua imensidade -, do sofrimento infligido às mulheres, graças ao conceito milenar de que a mulher é o mal, e o pecado. Eles são tantos assim, e outros ainda mais graves.

Um tribunal saudita condenou hoje a 200 chibatadas e seis meses de prisão uma mulher que foi vítima de violação em grupo, por infringir as leis de segregação por sexo do país.
A mulher, 19 anos, membro da comunidade xiita, foi violada 14 vezes durante o ataque de um gangue na região leste do país. Inicialmente foi condenada a 90 chibatadas por violar as leis sauditas, que proíbem qualquer forma de associação entre homens e mulheres não relacionados entre si. Ler aqui

”looking back at all women have suffered because of their sex, I ask… Isn’t it there also sanctity in the simple fact of being a Woman?” – (Isabel)

Einstein – Seguinte anotação

http://www.pbs.org/opb/einsteinswife/

Einstein’s wife – The life of Mileva Maric Einstein

Enfim, na verdade quem tenho lido os artigos que referi, e mais este ATÉ AO FIM, isto é, lendo também a defesa, que surge no final, está informado.

The Ombudsman Column

Einstein’s Wife: The Relative Motion of ‘Facts’ By Michael Getler December 15, 2006

Eisntein – Anotações

Einstein e Mileva
Este artigo é em Português do Brasil, e defende que nada de errado existe no facto de anteriormente ”ninguém” ter ouvido falar em Mileva Maric – defende os vários biógrafos anteriores, como Abraham Pais, cuja biografia de Einstein eu comprei logo à sua primeira edição em 1994, em inglês.
Considerando apenas este pequeno factor, o dos anteriores biógrafos – (que se provam, afinal, ser, não pessoas conscientemente desonestas – de forma nenhuma é isso que está em questão – , mas sim, pessoas radicalmente inconscientes de toda uma realidade – afinal, mais real do que aquela que anteriormente era vista, a qual subitamente se revela irreal, parcial, espantosamente perversa, quando se faz brilhar sobre ela uma nova luz) ou os interesses das editoras, já se poder imaginar um pouco a miríade infinita de interesses, e forças poderosas postas em questão, pessoais e sócio-políticas, para revelar o que está na obscuridade, para desenterrar o que está enterrado.

O quão tendencioso o artigo é, revela-se já pelo facto de negar que haja alguma coisa que necessite correção ou estudo. Segundo o autor, toda a conversa se resume a ”sensacionalismo’, e escândalo, ”normal” segundo ele, ”em torno de pessoas de génio”.

Interessante, como este sensacionalismo nunca surgiu, todo este tempo… em torno de Albert – e surge só agora, que alguém falou de Mileva Einstein.

____________________________________________________________

The Road to Mileva Marić-Einstein: Private Letters

Svenka Savić
Uma análise feminista das cartas dos Einstein, que contém variada informação:

In the last two years, both on the local scientific public scene and in publishing generally, quite a lot of information and articles have been published about Mileva Marić-Einstein (1875-1948), the first wife of the renowned scientist Albert Einstein, the first woman from this region to obtain a degree in mathematics and physics at the Scientific College in Switzerland. The basic intention of the papers was to specify to what an extent Mileva Marić was unjustly neglected when it came to recognising her contribution to physics, and also to discuss the extent of her contribution to new twentieth-century theories in the field of physics was. By “new theory” we mean the special theory of relativity (STR), made public in 1905 in the German periodical Annalen der Physik, undersigned by Albert Einstein only. There exists the controversial testimony of a Soviet National Academy member, Jofe, saying that he saw a manuscript in the editorial office signed by A. Einstein – Marity, which made him think there had been two authors.
We have been following articles about Mileva Marić-Einstein in the local daily “Politika” and have come to some conclusions about the (mis)use of a knowledgeable woman for particular aims in society.

http://www.zenskestudie.edu.yu/wgsact/e-library/e-lib0027.html

Mileva Maric Einstein – In Appreciation:

http://www.geocities.com/cherzenberg/Mileva_Maric_Einstein.html

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑