Pesquisar

A ILHA DOS AMORES – I

Etiqueta

SAÚDE

A verdade sobre a “epidemia de porcos” – 7

Cabaret, Liza Minnelli

O que observo nos posts que acabei de publicar é que a informação acessível  é repleta de contradições, confusa – como se escrita sem qualquer escrúpulo de investigação. Não importa se as mesmas notícias são revestidas de uma linguagem mais ou menos apurada.

A gripe  “H1N1 epidemia 2009″ é agora chamada gripe A, nos orgãos de comunicação.

No vídeo do primeiro post, as notícias informam que 4.000 americanos estão a pedir remunerações por causa dos efeitos da vacina contra a gripe suína: em dois terços dos casos, a danificação do sistema nervoso! E, segundo o repórter, em 300 casos, a morte. O vídeo mostra-nos as campanhas publicitárias e televisivas nos EUA em 1976, em consequência da qual 46 milhões de americanos se vacinaram. Descreve-se a história de uma senhora paralisada devido à vacina. David Senser, director do Centre for Disease Control CDC, desenvolveu a campanha de vacinação.  Veja o primeiro vídeo no post “A verdade sobre a GRIPE DOS PORCOS e VACINA”, 5:00.

Pode ver como a campanha é lançada MESMO SEM HAVER CASOS CONFIRMADOS DE GRIPE E SEM A VACINA TER SIDO suficientmente TESTADA!!!!!!!!!!!!

Depois, no segundo vídeo, pode ver como os cientistas sabiam dos altos riscos de danificação do sistema nervoso, e como no entanto, não informaram ninguém. Além disso, as vacinas iniciais, que teriam sido minimamente testadas, foram substituídas por outras!!! Essas outras, não testadas!!! Isto foi em 1976, e, apesar de todo o sofrimento provocado, o pandemónio continua.

Apesar da óbvia confusão que reina a respeito do vírus e da gripe, como pode ver nos posts anteriores, “a médica Marie-Paule Kieny, diretora do departamento de pesquisas de vacinas da OMS, afirmou que a epidemia de gripe suína “não pode ser detida” e, portanto, todos os países precisarão de vacina.”

Lendo os artigos anteriores, veja como deve ser por magia que a senhora sabe que a gripe “não pode ser contida”

A campanha continua:

Em Itália, “prevê-se” que 3 milhões serão infectados (!!!). claro que haverá vacinação em massa.

A ciência faz avanço misteriosos que não lhe conhecíamos: estas previsões extraordinárias.

A Austrália encomendou hoje (14 de Julho) 21 milhões de vacinas contra a gripe suína, quantidade suficiente para toda a população do país, após a advertência da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que “a epidemia não pode ser contida”.

Onde estão, por exemplo, os avisos de que a vacina pode prejudicar seriamente a saúde, para que as pessoas possam tomar uma resolução informada?

Vejam depois o vídeo de Ron Paul. Se estes dados estão correctos, em 1976, nos EUA, 46 milhões de pessoas foram vacinadas, enquanto só houve uma morte com a gripe.

Foi dito a respeito dos remédios para a gripe das aves, que eram pouco mais do que placebos…

Mais grave ainda do que serem arquitetados lucros tremendos e grandes negócios feitos com as indústrias bio-médicas, serão os casos em que as substâncias vendidas, não sejam placebos… E placebos não prejudicam o sistema nervoso.

Anúncios

Director da Organização Mundial Saúde Animal (OIE)-6

No artigo que citei na “mensagem -3”  intitulado “OIE diz que não há provas para atribuir a gripe suína aos porcos”, lemos que o Director da Organização Mundial Saúde Animal (OIE), afirma que “O vírus não foi isolado até agora nos animais. Não se justifica então que a doença seja chamada de gripe suína”  e

“não se tem provas de que este vírus transmitido atualmente entre humanos tenha uma origem animal conhecida.”

e até “Não há nenhum elemento a respeito“, (passe o mau português)

e “Vallat recordou que, no México, os casos foram registrados na cidade e não correspondem a contatos entre animais e seres humanos. “Trata-se no momento de uma epidemia humana”, enfatizou.)

Esta informação é completamente contraditória com a do artigo de 13 de Julho, citado na mensagem-4, “o confinamento dos animais e o manejo inadequado dos dejetos – como a existência de lagunas fecais – propiciam o surgimento de patógenos e de vírus como o AH1N1.”

Apesar de podermos observar que, DE FACTO, O NOME DA DOENÇA foi mudado, exactamente como dizia o Director da OIE , as declarações neste mesmo artigo, são contraditória com a informação que o próprio nos dera.

Directora da Organização Mundial de Saúde-5

O artigo de 8 de Julho que lemos, dizia que “todas as evidências científicas apontam que a letalidade da nova gripe é baixa e que ela não é pior do que a gripe comum que ocorre todos os anos.”

Por isso, logicamente, a Directora da Organização Mundial de Saúde, numa conferência da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). – (que deve ser gente com mesmo muita “propriedade intelectual”) compadece-se profundamente dos 6,8 bilhões de almas fatidicamente susceptíveis de “ser contaminadas por este vírus completamente novo e altamente contagioso”.

Ler aqui para que fique tudo esclarecido

Gripe dos porcos, perdão, dos suínos, tem novo nome – 4

Agora a doença chama-se gripe “H1N1 epidemia 2009”.

8 de Julho de 2009 – …

A medida, …já …adotada pelo Brasil desde … sexta-feira, significa o fim da… contenção do vírus e o reconhecimento de que haverá circulação livre do A (H1N1) por vários países, analisam especialistas.

No entanto, não há motivo para pânico, uma vez que todas as evidências científicas apontam que a letalidade da nova gripe é baixa e que ela não é pior do que a gripe comum que ocorre todos os anos. A OMS também informou que, pela segunda vez, modificou o nome oficial da doença: em vez de gripe A(H1N1), agora a doença chama-se gripe “H1N1 pandêmico 2009”.

Ler aqui para que fique tudo bem esclarecido.

13 de Junho

entidades de toda a América Latina…pedem investigação das causas da gripe suína…

De acordo com a CI, o confinamento dos animais e o manejo inadequado dos dejetos – como a existência de lagunas fecais – propiciam o surgimento de patógenos e de vírus como o AH1N1.
A FAO tem assinalado que este tipo de vírus circula desde 1998, recombinando-se entre a população de suínos, especialmente na América do Norte.

Ler aqui para que fique tudo bem esclarecido.


Gripe dos Porcos / Gripe Suína e vacina-3

PROCURA-SE: nome para a gripe suína que não é gripe suína.

Sobre um artigo da AFP,  OIE diz que não há provas para atribuir a gripe suína aos porcos”.

Os porcos, até que se prove o contrário, não são responsáveis pela epidemia de gripe suína que se originou no México, assegurou … o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE)…..

…não se tem provas de que este vírus transmitido atualmente entre humanos tenha uma origem animal conhecida.

“Trata-se no momento de uma epidemia humana”,

“estamos discutindo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para ver qual seria a denominação mais apropriada”

A “gripe dos porcos”, parece-me a mim, pelo que sei, uma denominação bastante apropriada… “the pig flue”.

“O vírus não foi isolado até agora nos animais. Não se justifica então que a doença seja chamada de gripe suína”, afirmou a OIE (…Organização Internacional de Epizootias).

“…Várias epidemias de gripe de origem animal foram denominadas em função da origem geográfica, por exemplo a gripe espanhola (1918-19) ou a gripe asiática (1957-58). Por isso, seria lógico chamar esta enfermidade de ‘gripe norte-americana’, afirmava a nota da OIE, uma organização intergovernamental que reúne 174 países e que tem sede em Paris.

Cá por mim, “Gripe norte-americana” é porventura também uma denominação, quiçá “exacta e apropriada”…

O que me escapa é o rigor do artigo:

1-“a doença brotou no México”. – parágrafo 7

2-“a epidemia surgiu no México” – parágrafo 13

3-“várias epidemias de gripe de origem animal foram denominadas em função da origem geográfica,… Por isso, seria lógico chamar esta enfermidade de ‘gripe norte-americana’, – parágrafo 15

É verdade que por outro lado, no parágrafo 3 se diz:

“a origem dessas diferentes famílias de vírus: a cepa aviária é de origem americana. Das duas cepas suínas, uma seria americana e a outra asiática, enquanto que a cepa humana é americana”

E no parágrafo 4:

…aparentemente a combinação aconteceu no continente americano.

—Percebe?

— ???

—E pronto, vacina-se!

—Não percebe?

—Bem, realmente parece que…

—Não faz mal, vacina-se!

—Parece que nem se sabe o que é, ainda…? Enfim, é tudo um bocado confuso…

—Para esse problema, nada como a vacinação!

A verdade sobre a GRIPE DOS PORCOS e VACINA-2

Senador Ron Paul, formado em medicina, confirma-vos que os vídeos que acabaram de ver, não são nenhuma falsificação. Vê-se também as campanhas em massa feitas nos US. Como diz Ron Paul, tudo é completamente fora de proporção. Ele aconselha a reflectir no oportunismo de quem tira vantagens destas situações.

“O dinheiro faz rodar o mundo”.

“Money, money, money makes the worlds go around, makes the world go around”.

Tudo isto é muito grave, e triste, e vai muito além de umas poucas de empresas que querem ganhar dinheiro, infelizmente.

A verdade sobre a GRIPE DOS PORCOS e VACINA

Aqui há dias, já um amigo da blogosfera se manifestara preocupado com a chamada “gripe suína”

Ontem, quando li este artigo, Portugal, pronto para a gripe “dos porcos”, nem dormi, preocupada… para estar agora aqui a escrever esta entrada.  Lamento não ter agora tempo para traduzir, mas não será que este artigo também é escrito aí algures, em português?

Têm que ver estes vídeos por favor: eles Incluem uma entrevista em directo com o homem que lançou a campanha das vacinas na América: e muito mais coisas que todos devem saber. Ouçam bem, please.

Agora usem o cérebro. Talvez queiram ouvir mais uma vez, para reparar melhor nos detalhes.

Coma menos para viver mais

À laia de informação muito útil para uns, e de brincadeira para o Antonio Fernando Borges.   🙂



Coma menos para viver mais

Redação SRZD | Ciência | 18/12/2008 16:42

Segundo um estudo publicado na revista “Nature”, feito por pesquisadores japoneses, comer pouco é uma boa alternativa para se viver mais. Os especialistas estudaram o efeito da enzima RHEB-1 e como ela se comporta na função da ingestão calórica.

Uma equipe da Universidade de Kyoto foi a responsável por esta pesquisa, que contou com vermes como cobaias. Os cientistas, no entanto, garantem que os resultados do estudo são aplicáveis também aos mamíferos.

Os vermes que não comiam durante dois dias conseguiam prolongar a vida em 50% em relação aos demais. Além disso, os que jejuavam de dois em dois dias apresentavam menos sintomas de declive físico relacionado ao envelhecimento.

Os especialistas concluíram que comer pouco, jejuar às vezes ou reduzir o consumo de calorias pode realmente prolongar a vida. Isto influencia diretamente os organismos do corpo, diminui o estresse e a qualidade de proteínas.

Bolachas (im)própias para consumo

As normas de supervisão e controle da alimentação, aquelas cujo verdadeiro objectivo é tudo menos a nossa saúde – nomeadamente acabar com o nosso artesanato, independência, etc. – são a coisa mais hipócrita e idiota possível.

Os alimentos ”permitidos” – isto é os das grandes impresas, multi-nacionais, etc. – estão carregados de venenos. O que é que ainda há que seja verdadeiro alimento?

Acordei a meio da noite doente do estômago – e eu que ainda ontem pensara: ”que bom, há uns dias sem passar mal do estômago!…”

Mas desta vez consegui identificar uma relação directa e sem o mínimo de dúvidas: os ”crackers” da ”Euroshoper” – uma marca que aqui se vende muito- fazem(-me) mesmo mal. Provavelmente, fazem mal a muitos, mesmo que não fiquem doentes: por isso faço esta entrada. As bolachas do mercado são um dos muitos alimentos que estão cheios de produtos inadmissíveis na alimentação, e radicalmente prejudiciais para a saúde de todos.

II – Soluções possíveis:

Fazê-las, é claro. No seio de uma família, pode ensinar os filhos a fazer bolachas, (em vez de estar em frente da televisão e etc…). ”Ensinar” quer dizer gostar de fazer isto com eles e permitir que seja divertido, dependendo da sua individualidade. Não quero portanto dizer que ponha as crianças a trabalhar, mas sim a fazer algo de que muitas crianças gostam, e se gostarem. Brincar com massa de pão ou bolachas, é muito mais divertido do que com plasticina. Com rolinhos podem-se formar bonecos e letras, e qual é a criança que não gosta de estender massa com um rolo – e cortá-la com formas ou carrilho? Experimente. Já imaginou o que é para uma criança ver a família alimentar-se de formas que ela fez?

Existe também no mercado uma folha que permite criar as formas que se quiser. Além disto, a maneira talvez mais rápida e fácil de cortar bolachas é fazer um grande rolo que se corta com faca que pode ser de madeira. Para ficar melhor, a massa deve ficar bem fria, ir ao frigorífico antes de ser cortada. E os biscoitos mais rápidos de fazer, são aqueles de que se deita a massa em tabuleiro, e depois corta-se aos quadradinhos, ou palitos.

Se se der a este trabalho, e puder, faça-o com farinha moída muito recentemente (na Biocoop em Lisboa, pode moê-la no momento. Também há moínhos à venda). O sabor não tem comparação. Se fizer assim, pode também fazer com a farinha intergral – o sabor e estrutura continua a ser delicioso, e NADA tem a ver com o resultado frequentemente pesado e desagradável da farinha integral, nem com a ”farinha a fingir” que se usa no comércio, a saber quando muito a lexívia.

Verá que só há um problema: é as bolachas não se acabarem logo…. 🙂
Melhor que isto, só deixar as crianças ter a experiência de fazer pãezinhos, com a massa levedada em casa! E com a tal farinha fresca. Faça pão de leite, ou pão ligeiramente adoçado, com algum ovo… Faça tranças, uma argola entrançada, ou pãezinhos. É delicioso e mais fácil do que se pensa. Além disso é melhor do que bolos.

O Pantagruel e O Manual de Cozinha de Manuel Ferreira têem óptimas receitas que se podem adaptar (farinha integral, menos acúcar e menos gordura). Use manteiga, bom azeite de sabor muito suave, ou óleo de arroz.

Quanto aos ovos, bem, quanto aos ovos, guardo para um outro postal.

Truques:

Um dos segredos de muitas receitas de massas, é que tudo deve estar gelado: uma das razões da nossa civilizada e antiga tradição das bancadas de mármore na cozinha. Pode arrefecer a farinha com uns cubos de gelo. Para fazer crepes uso o mesmo truque.

(Modifiquei este postal)

Bater nas crianças – NÃO!!!

Dado o tema de que se trata, cito aqui o que disse uma ou outra evangelista americana de TV, palavras que uma bloguista portuguesa apoiou a ponto de as publicar e aclamar!!!

Publico o texto, seguido do comentário que deixei no blog ! De momento não tenho tempo para mais… mas o assunto é tão importante que eu não pude deixar passar.

Com respeito aos acontecimentos de Blacksburg, encontrei n’ O Melhor dos Blogs um texto de Anne Graham, a filha do grande evangelista baptista Billy Graham, que já conhecia mas que vem bem a propósito:
À pergunta que lhe foi feita na televisão: “Como é que Deus permitiu uma coisa tão horrorosa, como foi o 11 de Setembro em Nova Iorque?”, Anne Graham respondeu:
“Eu creio que Deus ficou profundamente triste, como nós ficámos. Há muitos anos que vimos pedindo para Deus não interferir nas nossas escolhas pessoais, para saír do nosso governo e das nossas vidas. Sendo respeitador como é, calmamente, Deus deixou-nos. Sendo assim, como podemos esperar que Deus nos dê a sua bênção e a sua protecção?
E continuou:– É verdade! Gritamos, quando há ataques terroristas e tiroteio nas escolas! No entanto, eu creio que tudo começou desde que Madeleine Murray 0’Hare (que acabou também ela por ser assassinada), disse que era impróprio fazer oração nas escolas americanas, como era costume. E concordámos com a sua opinião! Depois, alguém disse que era melhor não ler mais a Bíblia nas escolas! E concordámos!
– Em seguida, – prosseguiu – o Dr. Benjamim Spock disse que não devíamos bater nos nossos filhos quando se comportassem mal, porque a sua personalidade, em formação, ficaria distorcida e prejudicaríamos a sua auto-estima! O seu filho suicidou-se! E dissemos: Um perito neste assunto deve saber o que está a dizer! E concordámos com ele!
Mais tarde, alguém disse que os professores e directores das escolas não deviam disciplinar nem corrigir os nossos filhos, quando se comportassem mal!– Foi decidido, de imediato, que nenhum professor podia tocar nos alunos! Uma coisa é disciplinar, outra é tocar, bem o sabemos!
– Alguém sugeriu, ainda, que deveríamos deixar que as nossas filhas fizessem aborto, se assim o quisessem! E aceitámos sem pestanejar. Sem nos interrogarmos!
– Foi dito, ainda, que devíamos dar aos nossos filhos os preservativos, tantos quantos quises-sem, para fazerem sexo até à saciedade; dar-lhes revistas com mulheres nuas e colocar, na internet, fotos de crianças nuas!– E dissemos: Está bem! Isto é democracia e eles têm o direito de apreciar o corpo feminino, de fazerem o que quiserem, porque tudo isto é sadio!…
Agora, perguntamos:– Porque é que os nossos filhos não sabem distinguir o bem do mal, o certo do errado, não têm consciência, nem se incomodam de matar… mesmo os colegas de escola ou a si mesmos?!”
A resposta é uma só: – Colhemos aquilo que semeámos!

Minha crítica:
Cara Senhora,
Considero este assunto tão importante, que vou publicá-lo no meu blog! Uma criança que tenha apanhado menos devido a algum pai que leia isto, e já valeu a pena. Mas discutindo, poderemos fazer muito mais, e que sejam muitas as crianças e os pais que leiam… e que ao ir bater… pensem: É INÚTIL E ERRADO. ERRADÍSSIMO!!!!!!!

Lamento que apoie – ainda por cima a ponto de publicar e elogiar texto tão detestável, o qual, defende, entre outras coisas péssimas, que se espanque crianças! Por outro lado, agradeço que o tenha tornado público, a esse seu apoio, assim como o de todos os que não reagiram com horror a tais palavras. Torna assim possível a discussão, e que se tire das cabeças bem intencionadas, as ideias erradas e mentiras a este respeito.
Tem uma criança de semanas ao colo, e anda a fazer a apologia de pessoas que defendem o retorno da violência sobre as crianças, ignorando completamente o significado da descoberta e compreensão tão recente (neste período humano) de que é com o amor, a inteligência, a compreensão, a empatia, a beleza, o exemplo, a imaginação, a compaixão, a reflexãoa e a meditação, a liberdade, o exercício, a arte, a cultura, que se educa as crianças bem; NÃO bater-lhes como método: fruto do ódio, da ira, da mesquinhez, da estupidez, da ignorância, da maldade, e de ideias erradas, mentiras.

A todos os que se sintam atraídos por tais métodos, peço que leiam livros sobre psicologia… as crianças espancadas não são de forma alguma mais bem educadas.

Deu muito trabalho a algumas pessoas corajosas, pioneiros, acabarem com milénios de história de crueldade legitimizada como método necessário e eficiente de educação!

Graças a eles, milhares de crianças desenvolvem-se hoje em dia, dezenas ou centenas de vezes melhor, tanto mentalmente, como fisicamente, como emocionalmente.

Aconselho todos os que pensam que bater nas criancinhas é necessário, a investigarem o assunto.  Bater nas crianças é precisamente equivalente a homens baterem nas mulheres, ou donos que batiam nos escravos! Tão ignorante, tão estúpido e tão inútil quanto pensar que deve bater nas mulheres, e nos empregados, porque ”quando não eles não aprendem”.

More women should have babies at home, not in hospital

Childbirth revolution: Mummy State 6 April 2007 23:2 > News > Med

More women should have babies at home, not in hospital, says Health Secretary -By Marie Woolf and Sophie Goodchild – Published: 14 May 2006

Pregnant women are to be advised to give birth at home as part of a revolution in childbirth policy that will reverse decades of medical convention.

Patricia Hewitt, the Secretary of State for Health, is to “challenge the assumption”, prevalent since the 1970s, that the safest place to give birth is in hospital and that home births can be dangerous.

In what is being billed as a historic shift in the politics of childbirth, doctors will be told to offer all pregnant women the chance to deliver their baby at home with the help of a midwife and their own choice of pain relief.

The Independent on Sunday can today reveal that the Government is planning a “strategic shift” in childbirth policy away from hospital delivery and towards births in the reassuring surroundings of home. It has commissioned research to support the case for home births and “challenge the assumption that births should take place in hospitals”. The Secretary of State wants to “demedicalise” pregnancy and challenge the “presumption” that birth should take place under the supervision of a doctor.

“A strategic shift towards more home births is part of the Government’s move for more care to be provided in the community and in the home, and away from acute hospitals,” said a Health Department source.

The move comes as new figures reveal that more than 200,000 women, a third of all who give birth every year, suffer some psychological distress after delivery.

Pode ler o resto:> News > Med

Revolução do Nascimento/Parto

Este artigo está relacionado com o seguinte, e lamento que esse seja em inglês pois não tenho tempo para o traduzir.

Eis o que aparece no Google, na PubMed, quando se procura ”birht revolution”:

Related Links

Mas isto é desinformação e mentira.

Revolução do nascimento, não é de forma alguma, nunca foi, a indústria da fertilização, dos laboratórios de bébés proveta, etc. Muito pelo contrário!

A revolução do nascimento, é o movimento começado, pela luta de pioneiros que foram marginalizados. Devido a estes pioneiros, os quais aliás raramente recebem sequer uma menção, quanto mais o reconhecimento que merecem, é que temos a ”revolução”, a qual aliás é uma transicção, uma profunda modificação, transformação, pacífica, na visão e prática do parto.

Compreendamos hoje em dia que mais tarde, essas compreensões ou descobertas de pioneiros, só começam a ser aplicados massivamente, quando um pequeno grupo de pessoas adquire o controle sobre a (gigantesca) vantagem financeira que pode extraír dessas verdades pioneiras, e começa a sua acção. É o que se passa agora com a ”Revolução do nascimento”, como pode ver no artigo seguinte, cujo título no Independente é esse mesmo.

A gigantesca desonestidade, está (sempre?) em esconder metade da verdade…

O estabelecimento industrial, patriarcal, lucrativo, utilitarista, técnicológico e materialista, médico, de saúde, farmácia, etc., justamente, defendeu, apoiou, perpetuou e lucrou com a prática desumana de técnicas de tortura atroz, durante o parto, – ou com a destruição do parto – e com o impedimento do esclarecimento e desenvolvimento da compreensão e da libertação, que tornam possível um parto totalmente diferente, humano, e até mesmo, belo, que merece o nome de ”dar à Luz”.

E agora… agora até vão começar a dizer que graças ao grande desenvolvimento técnológico, que faz possível o avanço da ciência e da medicina, se descobriu que o parto ”natural” é melhor… em casa? É mentira, pura e simplesmente! Vão fingir serem eles os autores de uma descoberta… que fizeram tudo por combater, reprimir e esconder.

O que se passa é que o parto natural e consciente, que aos poucos se está a tornar conhecido das mulheres, apesar do ”estabelecimento e regime industrial”, é completamente incompatível com esse estabelecimento! Não é forçosamente incompatível com um Hospital – é sim incompatível com os Hospitais que se têem vindo a desenvolver mundo fora, só interessados em lucro, e desumanos.

O parto natural, não se deixa comandar à hora, e ao esquema dos interesses financeiros de gente idiota de quem só pensa em dinheiro. O parto natural não é instantâneo nem fácil, nem a repetição maquinal barata de uma fábrica… É para ele que as Maternidades e a boa tradição portuguesa das boas Maternidades, deveriam existir!

Dinheiro é o que não falta…

Março 20th, 2007 – 80 milhões para dormir
Os portugueses gastaram no ano passado mais de 80 milhões de euros em comprimidos sedativos, hipnóticos e para a ansiedade.

http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=20600&op=all


Milénios depois de Pitágoras

“If a woman grows weary and at last dies from childbearing, it matters not. Let her die from bearing, she is there to do it.” – Martin Luther

Para ler mais na nossa página, clique: Misoginia

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑