Pesquisar

A ILHA DOS AMORES – I

Mês

Fevereiro 2009

A compreensão do todo

…porque as explicações dos pormenores não nos conduzem à compreensão do todo, a prender uma peça com outra peça,

…para, sem subirmos nas causas previamente estabelecidas dos manuais operacionais da tecnologia e das FAQ, podermos aceder ao todo, através da urgente intuição da essência.

imagem

A Ver: para compreensão do Haver

A restauração de nós próprios – Dragão

A esquerda, Escada Celestial de São João Clímaco.

Em baixo, Djed

Ler completo

Em baixo, alguns excertos:

Na verdade, tudo principiou, o trambolhão completo, quando um belo dia um rei, tentado por um qualquer espelho maligno, descortinou: “o Estado sou Eu”. Foi o mesmo que dizer: “Eu sou a minha própria negação.” Faltou lá um Aristóteles qualquer que lhe ensinasse, do alto daquela autoridade que só a neve dos cabelos brancos confere: “não, infeliz, isso é precisamente o que tu não és, e devias esmagar o quanto antes, como réptil peçonhento que é! Porque se em vez de o pisares, te transformares nele, trazendo-o para dentro de ti, virá o dia em que será ele a dizer: “O Rei sou Eu!”
Infelizmente, esse dia veio e é o dia que, como sombras errantes num Hades mais lúgubre que o original, atravessamos. Esta era em que o superior se submete ao inferior, em que se talha a regra à medida da lei, em que as estrelas do pântano se fazem aclamar como estrelas do céu. E, sobretudo, em que a “ausência de regime” passa por regime e a multiplicidade desarvorada de esquemas faz as vezes de sistema.
Ora, alguns idólatras da formalidade e do verbo fátuo, acreditam que se o réptil adoptar coroa a coisa fica menos sórdida e rastejante. É, assim, a coroa reduzida ao adereço material e o adereço promovido a fontanário de virtudes. Pior, é a Coroa legia nostra.
Todavia, não me parece assim tão difícil de perceber, mesmo para mentes frívolas e salta-pocinhas, a razão simples por que uma monarquia deteriorada e deteriorável não é melhor que a vulgar das repúblicas…

O que temos é que restaurar a coluna vertebral, readquirir a postura vertical, a lucidez e a bipedia. Feito isso, a monarquia é o prémio natural, o resultado subsequente. Vem por simpatia. Ou seja, não é a monarquia que temos que restaurar, somos nós próprios.
Por outro lado, o trono reflecte a cruz. Na monarquia, a de Cristo-rex; na pseudo-monarquia, do naufrágio assistido, a do papelinho anónimo para glória do papelão constituinte. É por isso que na primeira se simboliza o triunfo sobre a urna sepulcral, como na segunda se atesta o triunfo da urna eleitoral. ….
Resumindo e concluindo, ou há rei a sério ou sou anarquista. Ora, se há algo que não sou é anarquista. Logo, o rei está lá, onde sempre esteve e há-de estar. Não está sequer ausente: está encoberto. Pelo fumo, pelo ruído e pela névoa suja duma multidão de escravos, de pusilânimes, de sabujos do instante a ferver e, sim, de traidores. …
É nesse nevoeiro e contra esse nevoeiro que escrevo. A fogo.

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑