Imagine

Imagine there’s no heaven,
It’s easy if you try,
No hell below us,
Above us only sky,
Imagine all the people
living for today…

Imagine there’s no countries,
It isn’t hard to do,
Nothing to kill or die for,
No religion too,
Imagine all the people
living life in peace…

Imagine no possesions,
I wonder if you can,
No need for greed or hunger,
A brotherhood of man,
Imagine all the people
Sharing all the world…

You may say I’m a dreamer,
but I’m not the only one,
I hope some day you’ll join us,
And the world will live as one.

Eu não fazia ideia do que realmente se canta neste poema. Quando adolescente nunca percebi que nesta canção, da qual eu não desgostava, esse mundo sem Guerra, ao qual eu também aspirava, começava com “não haver Céu”:

Imaginem que não há Céu…

Nunca notei a discreta e pacífica indoctrinação. É uma texto que ensina que só pode haver paz no mundo, quando formos todos ateístas. Que infere que ter uma religião significa andar por aí a matar, ou apoiar que se mate o próximo e que se façam Guerras.


Anúncios