PROCURA-SE: nome para a gripe suína que não é gripe suína.

Sobre um artigo da AFP,  OIE diz que não há provas para atribuir a gripe suína aos porcos”.

Os porcos, até que se prove o contrário, não são responsáveis pela epidemia de gripe suína que se originou no México, assegurou … o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE)…..

…não se tem provas de que este vírus transmitido atualmente entre humanos tenha uma origem animal conhecida.

“Trata-se no momento de uma epidemia humana”,

“estamos discutindo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para ver qual seria a denominação mais apropriada”

A “gripe dos porcos”, parece-me a mim, pelo que sei, uma denominação bastante apropriada… “the pig flue”.

“O vírus não foi isolado até agora nos animais. Não se justifica então que a doença seja chamada de gripe suína”, afirmou a OIE (…Organização Internacional de Epizootias).

“…Várias epidemias de gripe de origem animal foram denominadas em função da origem geográfica, por exemplo a gripe espanhola (1918-19) ou a gripe asiática (1957-58). Por isso, seria lógico chamar esta enfermidade de ‘gripe norte-americana’, afirmava a nota da OIE, uma organização intergovernamental que reúne 174 países e que tem sede em Paris.

Cá por mim, “Gripe norte-americana” é porventura também uma denominação, quiçá “exacta e apropriada”…

O que me escapa é o rigor do artigo:

1-“a doença brotou no México”. – parágrafo 7

2-“a epidemia surgiu no México” – parágrafo 13

3-“várias epidemias de gripe de origem animal foram denominadas em função da origem geográfica,… Por isso, seria lógico chamar esta enfermidade de ‘gripe norte-americana’, – parágrafo 15

É verdade que por outro lado, no parágrafo 3 se diz:

“a origem dessas diferentes famílias de vírus: a cepa aviária é de origem americana. Das duas cepas suínas, uma seria americana e a outra asiática, enquanto que a cepa humana é americana”

E no parágrafo 4:

…aparentemente a combinação aconteceu no continente americano.

—Percebe?

— ???

—E pronto, vacina-se!

—Não percebe?

—Bem, realmente parece que…

—Não faz mal, vacina-se!

—Parece que nem se sabe o que é, ainda…? Enfim, é tudo um bocado confuso…

—Para esse problema, nada como a vacinação!