Não acontece muitas vezes: ler coisas na Internet, que me fazem sentir arrepios correndo pelo corpo… sem parar… Mas ainda há bem pouco tempo falei do Falcão magnífico, Hórus da nossa blogosfera,

Egypte louvre 091 aigle.jpgTouro transformado em Hórus. Agarra nas duas patas o símbolo da Eternidade. (clique na imagem…)

autor do Sobre o tempo que passa. Como o próprio Professor José Adelino Maltez, já disse, não nos conhecemos de parte nenhuma. Talvez eu seja assim mais livre de expressar insuspeitamente a minha admiração por um homem submerso no mundo da política, e noutros mundos tão interligados com a mesma, que, apesar da enorme pressão que isso significa, cosegue manter-se fiel a uma visão e atitude que aos vigilantes desse mundo desagrada.

Tenho-me aprofundado nesses símbolos que são os touros. Sim. Inicei umas entradas de uma série que expõe o que significa o touro – e a nossa antiquíssima relação com ele vinda dos povos que povoaram Creta e que iniciaram a”tourada”. Precisamos estudar este símbolo e o seu significado. Compreender o que representava para os antepassados da Grécia, vencer esse animal sexual de 500 kg de peso. Mas não. Somos tão superiores aos mitos, que preferimos continuar a alimentar o nosso Minotauro com as virgens e as mulheres que lhe vamos atirando, satisfazendo o monstro, meio-homem, meio-animal. Somos demasiado sábios, com os diplomas das nossas Universidades, para escutar as lições silenciosas e humildes de Ariana e o seu fio… Ou de Britomartis preferindo um salto no abismo da morte, à prisão de Minos – que julgamos o bom rei.

Os potenciais Theseus do nosso mundo, ignoram Minos ou labirintos, touros brancos, ou Missões. São superiores a essas ”superstições” da ”infância (ignorante)” da humanidade. Esta é a melhor maneira que têm de enfiar na areia a cabeça da consciência, para não serem lembrados de que são enganados. Pensam ser reis (senhores) Minos e Theseus, quando mais não são que monstros Minotauros morrendo encarcerados nos seus labirintos, com a idade e o tempo.

Mas de vez em quando há uma Luz. Uma Luz que coloca tudo no seu lugar. Uma Luz que nos relembra a Grande Luz, que nos de que não fomos feitos para nos tornarmos de touros em monstros Minotaurus, (com a correspondente metade de mulheres …. ), mas sim em ÁGUIAS, em POMBAS, em HÓRUS libertos!

NOVA ÁGUIA