A nossa Magna lingua portugueza

A nossa magna lingua portugueza
De nobres sons é um thesouro.
Seccou o poente, murcha a luz represa.
Já o horizonte não é oiro: é ouro.
Negrou? Mas das altas syllabas os mastros
Contra o ceu vistos nossa voz affoite.
O claustro negro ceu alva azul de astros,
Já não é noute: é noite.

Fernando Pessoa, 26-8-1930

Acho graça às pessoas que pegam logo no exemplo de Pessoa, pensando assim provar que também ele resistia a mudanças que todos nós hoje em dia achamos bem. Mas quem diz?

Estou curiosa em saber as diferenças que havia entre f e ph. E, se dantes se escrevia oiro, em vez de ouro, pois o meu sentir da língua o aprova. Esse meu sentir, é igual ao que Pessoa descreve no seu poema acima.

E se da negra noute, como noite, gosto mais
É porque ela é repleta de luz, esse oiro, e coisas tais…

A Língua Portuguesa

Esta língua que eu amo
Com seu bárbaro lanho
Seu mel
Seu helénico sal
E azeitona
Esta limpidez
Que se nimba
De surda
Quanta vez
Esta maravilha
Assassinadíssima
Por quase todos os que a falam
Este requebro
Esta ânfora
Cantante
Esta máscula espada
Graciosíssima
Capaz de brandir os caminhos todos
De todos os ares
De todas as danças
Esta voz
Esta língua
Soberba
Capaz de todas as cores
Todos os riscos
De expressão
(E ganha sempre à partida)
Esta língua portuguesa
Capaz de tudo
Como uma mulher realmente
Apaixonada
Esta língua
É minha Índia constante
Minha núpcia ininterrupta
Meu amor para sempre
Minha libertinagem
Minha etena
Virgindade.

Alberto de Lacerda

in Oferenda I, Lisboa, IN-CM, 1984 — 04/11/2007