Falava eu ainda ontem da W.i.k.i.p.é-d-i.a portuguesa, – perdão, em língua portuguesa, o pt confunde-nos –, (aqui) quando hoje vejo uma postagem sobre o mesmo assunto. O frapante, aparte as outras discussões universais relativas à W.i.k.i, é este comentário que logo no dia seguinte foi enviado! De XXX:

Eu costumava ajudar na (W.i.k.i.p.é.d.i.a) em língua portuguesa alguns anos atrás mas desisti por causa da cambada de portugas filhos da puta que habitam aquele lugar. Os merdas portugas modificavam até artigos de cidades do interior do Brasil que eles nunca ouviram sequer falar só porque não estavam escritos na ortografia porca deles.
Se houver 200 mil artigos na W.i.k.i.p.é.d.i.a em língua portuguesa pelo menos 190 mil foram escritos por brasileiros, mas os portugas escrotos insistem em querer ser os maiorais e modificar o que foi escrito pelos brasileiros.
Talvez eu volte a contribuir na W.i.k.i algum dia se o Brasil finalmente ganhar sua versão independente da dos vermes portugas desde que nessa W.i.k.i brasileira a cambada de portugas salafrarios sejam banidos ou impedidos de modificar algo.

Perfeito exemplo da vivência que descrevi. Isto não era acidental… era a regra. Entre o momento de aprendizagem de como é que a W.i.k.i funciona, necessário para se poder publicar um tal artigo, e o desaparecimento, metamorfose ou destruição seguinte do mesmo artigo por um desconhecido colega brasileiro… percorrem-se os bastidores deste palco lusófano. E foi assim que constatei a constante presença de escritos como o acima, com a manifestação destes mesmos sentimentos e pensamentos.

De resto vejo que este blog de um colaborador da W.i.k.i, tem mais artidos sobre a questão  Ler

Advertisements