Resposta a um post num blog católico:

Caro Daniel…

Li o seu artigo sobre ateísmo, em que avisa umas pessoas amigas dos perigos de crueldade e semelhantes desgraças para quem vive no ateísmo…e em que dá ainda por cima o exemplo de Hitler!…

Estas coisas exasperam. O raciocínio que fez, não tem cabimento. Ignora a História? Ignora as crueldades praticadas por ”cristãos” e pelos seus chefes, e pelas Igrejas e pelos ”homens de Deus”? Ignora também a cristandade de Hitler?

Quem é que tem que acartar com esse mal, feito pelas igrejas e por aqueles a quem chamam cristãos? Os ateus? Os que gostariam também eles de ter um contacto com o Eterno, e uma irmandade, mas que contrariamente às pessoas como o Daniel, não a encontram, não a podem ter, por consciência, e por terem que acartar eles sózinhos com o peso da consciência de todos os males, mentiras e horrores feitos em nome de Deus, os quais os da Igreja de hoje continuam a esconder e ignorar?

Em vez daquilo que fazem, os homens da Igreja de hoje deveriam de e precisam de partilhar o peso desses mal-feitos, e crimes. Isso sim, fa-los-ia arrependerem-se e procurarem um caminho melhor, pois que o passado foi por de certo errado. E esse reconhecimento sim, abriria o caminho do Eterno para milhares – que desta forma, se mantêm aquém do sobrenatural, fechados na esterelidade do racionalismo que necessitam para defender verdades que a vossa ignorância esconde. Mas não; é incrível, como continua a não haver um reconhecimento dos erros feitos. Um arrependimento.
Com tanto poder, bem poderia surgir uma declaração universal – de pena, de dor, de ”errámos, desculpem-nos – na verdade, não era nada disto o ensinamento de Cristo!…” E haver uma limpeza, e uma exposição quase completamente nova…da religião de Jesus.

Anúncios